Esu Fala sobre Conexão com o Criador

Esu sinto que é o momento de falarmos sobre os níveis de conexão com Cristo Miguel e a Fonte Criadora. Eu vejo uma desconexão entre o conhecimento predeterminado de todos os elementos da criação e o plano de escolhas do homem. Fale sobre isso, por favor.

Jess, é o momento de conversarmos novamente. Vejo que tem perguntas sobre o que outros tem falado, e eu penso que é muito bom esclarecer a extensão da conexão do homem com o seu Criador. Dissemos a você anteriormente que o homem é uma extensão do seu Criador. Ele é desenhado para vivenciar esse nível de criação mais imediata. As suas percepções físicas foram desenvolvidas para analisar sua interação dentro desse nível de entendimento.

O homem na Terra, como você o percebe, está envolvido com o seu ambiente de forma ativa e passiva. Ele decide a forma como vai conectar com a sua situação, assim como também constantemente avalia a forma de ajustar a sua reação, mantendo-se em equilíbrio, no meio da bateria de desafios que enfrenta. Ele se vê escolhendo o seu caminho, através de sua habilidade de avaliar as suas opções.

E, é isso exatamente o que está acontecendo a nível de seu auto conhecimento. Ele escolheu encarnar aqui, nesse nível de dimensão, para vivenciar e aprender. A melhor forma de fazer isso é através da tentativa e do erro. E assim, aprender qual é a melhor maneira de levar a visão de Cristo Miguel, ele também tem que explorar. As escolhas, consideradas dessa forma, estão mais em equilíbrio com os objetivos espirituais.

O homem pensa que as emoções dão cor as suas escolhas e ações. Emoções estão baseadas nas memórias de experiências passadas, com ambos resultados positivos e negativos, informando sobre a reincidência nas escolhas. Ele procura evitar o desconforto e vai em frente com facilidade e prazer. Suas ações são programadas, o que significa, estarem baseadas em exemplos anteriores. Esse processo envolve escolha, mas também é condicionado por preconcepção. As escolhas não são completamente sem uma rubrica de resultados anteriores em diferentes ações.

Escolhas nunca são feitas fora de um contexto. O homem tem que examinar possibilidades para determinar qual deveria ser sua linha de ação. Investigação e analise tem sua parte nesse discernimento, assim como experiência e instinto. Decisões não são ocorrências separadas, mas sim, construídas em uma sequencia de resultados prévios, que dão forma a uma nova escolha.

É vital que o homem tenha consciência da complexidade de tomar uma decisão. Ele deve perceber que cria com as suas experiências e com a informação adquirida, enquanto dá forma ao caminho para um novo resultado. Ele deve também estar ciente de que as suas experiências passadas dão cor as suas percepções, e que a informação que coletou não está completa. Seu objetivo é fazer escolhas que sejam bem informadas e o mais abrangentes possível. Isso permite que ele tenha um julgamento mais equilibrado.

Esse contexto então, deve ser ainda medido em termos de seu parâmetro espiritual. Qualquer decisão deve ser avaliada em termos de seu alinhamento com o propósito do Criador. A visão do Criador envolve todos os aspectos de sua criação, e as decisões do homem deveriam incorporar integralmente essa natureza. Nenhuma decisão existe sem ter ramificações em suas experiências na Terra.

Esse processo de tomar decisões é construído para servir o tipo de encarnação do homem. Ele percebe a história como sendo linear e o espaço tendo uma medida. Essa percepção dá a ele ferramentas para examinar a sua existência de experiencias. Sua consciência e conhecimento é definido em termos de sua terceira dimensão, mesmo que, sua natureza espiritual esteja em movimento para uma frequência vibratória mais alta, da que previamente definia o seu entendimento.

Isso é dicotomia. A análise do homem está em transição, mesmo que ele não esteja ciente da expansão dos fatores, que agora, tem para examinar. É por isso que, decisões que antes eram eficazes agora, são falhas e levam a desinformação. Uma nova camada de de percepção é necessária, uma que traga aspectos ajustados aos seus novos componentes espirituais e outras que se afastem para sempre da rotina e do habito.

Essa sobreposição de camadas não foi acidental. A natureza da ascensão permite àqueles ascendendo entenderem mais e discernirem a natureza espiritual de sua experiência. Cristo Miguel Aton determinou que a Terra ascenderá, e os efeitos dessa virada estão se tornando óbvios. As decisões do homem mantém-se experimentalmente livres, mas o seu contexto está mudando.

Nesse sentido, vocês podem dizer que as livres escolhas do homem são prescritas dentro de si e estabelecem um padrão. Os parâmetros que ele usa para determinar o positivo e o negativo, bem sucedido ou não, são predeterminados. A natureza do sucesso foi criada para ser assim, com a definição de sucesso planejada para servir uma ideia universal. O processo de escolha foi desenhado para prover um senso de experiências independentes, mesmo que, a conclusão já tenha sido planejada. O homem ascende, e aprende mais, sobre esse sistema abrangente, que usa a sua experiência/vivencia como uma das várias camadas sobrepostas. Ele começa a ver que decisões individuais são necessárias para a sua existência física, mas também que as suas ações como um todo devem servir dentro de um contexto maior da visão universal.

Agora é o momento do homem começar a ver as diferentes camadas de escolhas e propósitos. Fica claro que seu papel o está levando a uma consciência dessa visão amplificada de sua existência. As escolhas do homem devem agora ser temperadas com esse novo propósito e percepção. Eles devem ser integrados com uma maior abrangência desenhada para a ascensão da Terra.

O homem é parte de seu Criador. Sua conexão é completa, ele se dando conta disso ou não. Seu papel deveria ser ajudá-lo a entender esse conceito.

Esu

Tradução: Lucia Gualdi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-spam: complete the taskWordPress CAPTCHA