Biografia de Esu

Esu, poderia falar mais sobre você? Nós temos uma conexão antiga, você e mais alguém já mencionaram isso, estou curioso para saber mais. De onde vem a sua família e como aconteceu esse relacionamento com a Terra? Como chegou a posição que ocupa agora? Como será a sua manifestação na Terra? Eu peço que fale mais sobre você hoje, trazendo mais conhecimento para nós.

Sim, Jess (risos). Você quer a história da minha vida, não é? Isso levará mais tempo do que você tem para escrevê-la no computador. Vamos aos pontos mais importantes então. Será bom escrever sobre isso, assim os outros, terão uma visão do que eu penso ser importante, em termos de conhecimento, nesse momento.

Minha encarnação nessa galáxia começou em Lyra, como já havia dito. Porém, nossa história juntos vai muito além disso. Nós dois fomos parte da Raça Central, assim chamada, que formou todos os tipos de corpos físicos que iriam ser as sementes plantadas em vários planetas que teriam vida, assim que estivessem prontos para sustentar a existência. Foi lhe dito que seu papel é de um conector. O meu papel é trazer a consciência. É difícil explicar isso mais profundamente, mas nós fomos parte do fluxo de energia que continha o entendimento dessas tarefas em relação a Fonte Criadora[1]. Esse entendimento deu forma ao nosso propósito e personificações que tomamos para trabalhar. Ambos estávamos envolvidos ajudando Cristo Miguel Aton a formular e estruturar o universo de Nebadon[2]. O conceito dele de escolha e da co-criação necessitavam de elementos que trouxessem uma conexão e uma conscientização das escolhas feitas.

Eu escolhi explorar isso fisicamente como parte de uma família habitando um planeta no Sistema de Lyra. E essa era a família Kumara que você já ouviu falar. Sanat Kumara é meu pai, se esse é o termo correto para essa situação[3]. Não existia essa definição de pai como se tem na Terra. Eu fui uma continuação de seu fluxo energia que permitiu que ele explorasse outros aspectos através de um corpo físico. Esse processo tem algo do que acontece na Terra, mas sem a parte física entre um casal que fica sugerida quando se usa a palavra “pai”.

O sistema de Lyra estava sendo atacado por forças que discutiam sobre o conceito de conexão com Cristo Miguel. O desejo dele de explorar todos os aspectos da escolha e da conexão lógica levou parte de seus filhos a negar serem sua criação. Eles eram livres para escolherem o caminho que quisessem, e suas decisões levaram a uma guerra galáctica entre o que veio a ser chamado de Luz e Escuridão. Aqueles que rejeitaram a conexão com Cristo Miguel viraram as costas para a luz e para a liderança dele, para o seu conhecimento e estavam convencidos de que eles mesmos eram capazes de criar qualquer coisa que necessitassem, sem a sua assistência ou aprovação. Acreditando que eram completamente a aparte, eles começaram a se apoderar de mundos e a persuadir grupos de habitantes a seguirem sua forma de pensar.

Isso chegou a um clímax em Lyra, quando parte do sistema explodiu. Os sobreviventes foram forçados a restabelecerem sua existência em outros planetas. Alguns foram para o Sistema de Sírius e outros para Pleiades. Foram ondas de refugiados e imigrantes.

Deixe-me explicar mais claramente o que estava acontecendo com o sistema estelar. O Sistema de Lyra de que falo estava primeiramente organizado em volta da estrela que chamam de Vega. As outras estrelas que compunham o que chamam de constelação de Lyra tinham uma menor significância na coordenação do fluxo de energia que trabalhávamos. O nome Sanat Kumara ficou atrelado a esse grupo familiar após o ocorrido. Esse foi o primeiro nome dado por vários escritores e comentadores na Terra. Esse é o caso quando um guia espiritual que trabalha com vocês, aqui na Terra, usa um nome que designa quem ele é por praticidade. Essa terminologia foca a energia que ele provê, de forma que ela tenha impacto nos habitantes de uma dimensão específica, os quais esperam que seu nome seja Sanat Kumara. A energia é fluídica e se movimenta da maneira que for canalizada.

As guerras causaram a destruição de um dos planetas desabitados. A remoção abrupta desse planeta causou um desequilíbrio no sistema que coordenava a interação de energia dentro do sistema de Vega. Os outros planetas tornaram-se rapidamente inadequados para o tipo de vida que havíamos desenvolvido. Alguns sentiram que o ambiente em volta Sírius era mais adequado para a sua manifestação de energia; outros sentiram que o modelo dentro do sistema estelar das Pleiades era mais adequado para o seu propósito. Com as ondas de refugiados, transformações em ambas as civilizações ocorreram. Cada sistema foi se adaptando aos novos elementos trazidos pelos que chegavam de Lyra.

Mesmo sendo difícil fazê-los ver além de suas concepções terrenas, os colonizadores, usando esse termo para denominá-los, foram exatamente considerados como seres de mais alta dimensão que estavam vestindo um corpo físico que os possibilitava uma vivência num paradigma de interações energéticas diferentes. Eles estavam separados, mas ao mesmo tempo conectados. A pureza da energia de que, os colonizadores eram feitos, inevitavelmente fundiu-se com as diferentes manifestações dos outros novos sistemas. Essa fusão causou resultados diferentes em grupos diferentes. Os seres de Sírius tornando-se mais estruturados e focados em sistemas mais arregimentados e os seres de Pleiades absorvendo a influência mais passivamente e a usando mais internamente, para a sua própria evolução.

12-4-2009

Jess, podemos continuar?..Nossos papeis na Terra são parte deste cenário desde o início de nossa conexão com esse planeta. Lhe disseram que já havia vislumbrado a direção que tudo aqui na Terra tomaria e quis prover os meios para contornar os acontecimentos. Eu vi que meu papel poderia ser o de prover mecanismos para que o homem pudesse entender a razão “do porque” uma mudança era necessária. Você desenvolveu seus conceitos através de uma série de encarnações no sistema de Pleiades. Encontrou maneiras de utilizar várias ideias separadas como ferramentas que direcionam a uma reavaliação de crenças. Exemplos preparados guiam os homens a novas direções. Você desenvolveu um sistema que funcionaria para o tipo de encarnação que havia se desenvolvido dentro da estrutura planetária da Terra.

Onde essas ferramentas poderiam levar… foi essa conscientização a minha contribuição. Você escolheu usar ideias artísticas que forneceriam os modelos de expressar a verdade universal em uma linguagem que tocasse diretamente as emoções e na forma de pensar do homem na Terra. Os exemplos eram guias individuais que levavam a uma auto-realização e a conscientização de verdades mais elevadas. Você forneceu o sistema; eu forneci o entendimento.

Você manteve a vigilância desse sistema desde a sua primeira encarnação nos dias da Atlântida. Nós conversamos uma vez sobre a sua escolha de usar “guerra de guerrilha” em um mundo físico que estava tentando se elevar. Me uni a você em várias ocasiões, em parceria, para fortalecer o direcionamento que seus procedimentos estavam tomando. Aquela época em Jerusalém foi um divisor de águas para as crenças no mundo – e nós dois trabalhamos juntos para esboçar uma expressão compreensível da verdade universal que Cristo Miguel tentava manifestar na Terra. Os princípios e explicações que foram retratados na manifestação física de Cristo Miguel, através de mim, foi o início do movimento de ascensão planetária que agora está atingindo o estágio final. Cristo Miguel sentiu que levaria os dois mil anos que projetou para o homem alcançar um nível de consciência, no qual, fosse possível a sua participação consciente na direção que a Terra deveria seguir.

Eu falo sobre essas coisas hoje, nessa manhã de Páscoa, porque você está pronto para ouvir esses comentários de mim. Tenho lhe falado sobre esses aspectos várias vezes, mas nunca discutimos isso tão detalhadamente ou em um contexto no qual se pudesse colocá-lo como um observador informado. Eu respeito a sua habilidade de observar e comentar. Eu escolhi usá-lo como Voz para expressar meus conceitos e conhecimentos para os outros. Mais uma vez você está fornecendo as ferramentas para que eu possa mostrar a sabedoria e o entendimento da verdade de Cristo Miguel Aton. Jogamos novamente o mesmo jogo, como já fizemos antes. Usei a palavra “jogo”, porque isso é somente a experiência de uma existência que ambos estão participando. Eu concordei em ser um líder físico na Terra, e você mais uma vez estará ajudando a fazê-lo.

Muitos de nossos companheiros estão envolvidos com esse projeto. Você conhece muitos deles e já conversou com figuras chaves. Meu papel aqui é ser o exemplo que permita ao homem ver seu caminho em um nível mais alto de consciência universal, e assim, explicar o que é a verdade. Lady Nada, como a chamam, é parte desse cenário universal[4]. O homem ainda vem em um corpo físico como homem e mulher, com um código de DNA que gira em torno de interações sexuais e fusão de energias individuais. Esse código propicia um modelo básico que determina atitudes culturais e relacionamentos. Tudo gira em torno do conceito de se casar ou se separar. Meu papel com Lady Nada, minha parceira ideal, personificará o ideal nessas relações. O nosso exemplo reforçará os efeitos de re – codificação de DNA redirecionando a natureza das relações entre os homens. Seu papel será, no início, o de ser o porta-voz de meus comentários ajudando a guiar o homem em seu novo caminho em direção a uma maior consciência. Uma vez tenhamos alcançado a compreensão, o homem poderá abraçar o exemplo que estarei oferecendo com Nada. Ela prefere ser chamada de Nada. Nomes e títulos são úteis somente como alfinetes para prender conceitos na mente daqueles que necessitam criar estruturas mentais alinhadas com seus pre – conceitos e satisfação emocional. Nada é um nome simples, expressa sua habilidade de exemplificar o vazio espiritual que devemos encontrar para iniciar a criar. O conceito de ying/yang expressa essa formação de casais claramente.

Essa longa narrativa e biografia chega ao fim com esses comentários.

Daremos mais explicações mais tarde, mas essa é uma prova do que virá.

Esu

[1] Em teoria, vós podeis pensar em Deus como o Criador, pois Ele é o criador pessoal do Paraíso e do universo central da perfeição; mas os universos do tempo e do espaço foram todos criados e organizados pelo corpo do Paraíso de Filhos Criadores. O Pai Universal não é o criador pessoal do universo local de Nébadon; o universo, no qual vós viveis, é criação do Seu Filho Michael. Ainda que o Pai não haja pessoalmente criado os universos evolucionários, Ele os controla, por meio de muitas das suas relações universais e por meio de algumas das suas manifestações de energias físicas, mentais e espirituais. Deus, o Pai, é o Criador pessoal do universo do Paraíso e, em associação com o Filho Eterno, é o Criador de todos os outros criadores pessoais de universos. [O Livro de Urântia Doc1(24.7) 1:2.9]

[2] Cristo Miguel Aton é o filho do Pai Universal e do Filho Eterno, um Filho Divino da Ordem dos Michael, com prerrogativas de criação. Ele criou o universo local de Nebadon e sua consorte, Nebadonia, criou as várias ordens de criaturas que habitam esse universo local. Ele mais tarde ganhou o status de Filho Mestre, com total Soberania sobre o universo de sua criação pessoal, após várias auto outorgas, onde ele se tornou um membro verdadeiro de cada ordem que ele criou e vivenciou de modo exemplar. Durante a sua sétima e última auto outorga, ele apareceu neste planeta, nascido como o conhecido Jesus em 21 de Agosto de 7B.C. Durante trinta e seis anos ele viveu em Urântia na sua auto outorga final, seu mandato era exemplificar a revelação de Deus para o homem e a relação direta com Deus que homem é capaz de atingir. [O livro de Urântia Doc 33] [p.366]

[3] Sanat Kumara é o pai físico de Esu em Lyra há muito tempo atrás. A esposa de Sanat Kumara é Anna que encarnou como Mãe Maria há dois mil anos atrás durante a encarnação de Esu em Bethlehem. Naquele tempo Sanat Kumara era o Logus Planetário, ou líder Espiritual da Terra. Os Kumaras chegaram há 18 milhões de anos atrás para observar a direção que o planeta havia tomado. Sanat desde então foi promovido a Logos Solar, líder espiritual de todo o sistema solar que a Terra pertence. Buddah agora ocupa a posição de Logos Planetário desde 1987, nessa época os circuitos galácticos da Terra foram reabertos, durante a Convergência Harmônica.

[4] Lady Nada é a consorte do Esu. Ela encarnou como Maria Magdalena durante a encarnação de Esu como Jesus Cristo.

Tradução: Lucia Gualdi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Anti-spam: complete the taskWordPress CAPTCHA